terça-feira, 5 de outubro de 2010

QUADRILHA.

"João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou pra tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história".

- Carlos Drummond de Andrade -

8 comentários:

  1. Tanto fala esta poesia não... Ainda a semana passada estávamos eu e minha amiga, Lívia de "Inquietude dos Pensamentos" comentando sobre esta poesia, em como é recorrente a poesia...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Adoro esse texto, acho super verdadeiro!

    ResponderExcluir
  3. pode ser simples.., mas diz tanto! basta estar atento :)) *

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia este texto de Carlos Drumond de Andrade. Muito verdadeiro e actual.
    Beijo e boa semana

    ResponderExcluir
  5. Eu encontrei meu amor, eu o amo e ele ama a mim...
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Oi, Silvana. Sempre que leio este poema - e outros escritos de Drummond - fico pensando no cronista genial que ele foi dessas pequenas mazelas do cotidiano, como os desencontros da Quadrilha e os nossos... Bela postagem. Beijos

    ResponderExcluir
  7. O amor e o destino sempre pregando peças!
    Adorei ler Drummond aqui!

    =)

    ;***

    ResponderExcluir
  8. Mas que grande salganhada.
    O homem pirou de vez.

    ResponderExcluir