sábado, 21 de agosto de 2010

A VALSA.

( http://www.marciomelo.com/1999/1999.htm)
 
Tu, ontem,
Na dança
Que cansa,
Voavas
Co'as faces
Em rosas
Formosas
De vivo,
Lascivo
Carmim;
Na valsa
Tão falsa,
Corrias,
Fugias,
Ardente,
Contente,
Tranqüila,
Serena,
Sem pena
De mim!

Quem dera
Que sintas
As dores
De amores
Que louco
Senti!
Quem dera
Que sintas!...
— Não negues,
Não mintas...
— Eu vi!...

Valsavas:
— Teus belos
Cabelos,
Já soltos,
Revoltos,                                                                                          
Saltavam,
Voavam,
Brincavam
No colo
Que é meu;
E os olhos
Escuros
Tão puros,
Os olhos
Perjuros
Volvias,
Tremias,
Sorrias,
P'ra outro
Não eu!

Quem dera
Que sintas
As dores
De amores
Que louco
Senti!
Quem dera
Que sintas!...
— Não negues,
Não mintas...
— Eu vi!...

Meu Deus!
Eras bela
Donzela,
Valsando,
Sorrindo,
Fugindo,
Qual silfo
Risonho
Que em sonho
Nos vem!
Mas esse
Sorriso
Tão liso
Que tinhas
Nos lábios
De rosa,
Formosa,
Tu davas,
Mandavas
A quem ?!

Quem dera
Que sintas
As dores
De amores
Que louco
Senti!
Quem dera
Que sintas!...
— Não negues,
Não mintas,..
— Eu vi!...

Calado,
Sozinho,
Mesquinho,
Em zelos
Ardendo,
Eu vi-te
Correndo
Tão falsa
Na valsa
Veloz!
Eu triste
Vi tudo!

Mas mudo
Não tive
Nas galas
Das salas,
Nem falas,
Nem cantos,
Nem prantos,
Nem voz!

Quem dera
Que sintas
As dores
De amores
Que louco
Senti!

Quem dera
Que sintas!...
— Não negues
Não mintas...
— Eu vi!

Na valsa
Cansaste;
Ficaste
Prostrada,
Turbada!
Pensavas,
Cismavas,
E estavas
Tão pálida
Então;
Qual pálida
Rosa
Mimosa
No vale
Do vento
Cruento
Batida,
Caída
Sem vida.
No chão!

Quem dera
Que sintas
As dores
De amores
Que louco
Senti!
Quem dera
Que sintas!...
— Não negues,
Não mintas...
Eu vi!

- Casimiro de Abreu -

15 comentários:

  1. Olá querida, linda poesia de Casimiro Abreu, não conhecia. Obrigado por partilhares conosco.

    Tem um bom fim de semana.

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Linnnnnnnnnnnnda a valsa, linda poesia!

    ResponderExcluir
  3. Querida amiga, também não conhecia essa poesia, maravilhosa...Beijocas

    ResponderExcluir
  4. Minha querida Silvana
    Como sempre um belo poema.Adorei.

    Beijinhos
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia e fiquei encantando com esta valsa de palavras que entre si se conjugam numa dança perfeita

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia, mas traz bem a cadência da valsa: lindo!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Nos apresenta doces
    giros elegantes de
    Casimiro de Abreu!

    Um beijo e um lindo dia!

    ResponderExcluir
  8. Bem vinda, Silvana! Amo poesia também. Já agora visita(em):
    http://bioterra.blogspot.com/search/label/Poesia
    e
    Meu dossiê
    http://bioterra.blogspot.com/2007/03/dossier-ea-e-poesia-poesia.html
    Beijinhos
    P.S. Te sigo;))

    ResponderExcluir
  9. Obrigado pela passagem lá no Serra de Minas. Já fazia bem tempo que vc não aparecia.

    Bom fim de semana

    Bj

    ResponderExcluir
  10. Grandes nomes sempre presentes por aqui.
    Quem dera se todos pudessem dançar uma linda valsa pelo menos uma única vez...
    Grande beijinho

    ResponderExcluir
  11. olá querida amiga

    eu já conhecia obrigado por postar..




    beijos no seu coraçâo!!

    ResponderExcluir
  12. Um poema com uma métrica excelente. Não o consegui ler de outra forma que não fosse rapidamente. O poeta tem pressa em dizer o que tem para dizer. Lindo!
    Briosas saudações

    ResponderExcluir
  13. Mas bah , deu até para imaginar o vai-e-vem da valsa . Lindissimo o post !
    Parabéns e bjs sulinos !

    ResponderExcluir
  14. Bravo!!!
    Casimiro de Abreu soube, com maestria, parafrasear Gonçalves Dia na IV parte de I-Juca-Pirama. É uma cadência gostosa que, mesmo longa, ninguém se cansa de ler e de ouvir.
    Obrigada Pela simpática visita.
    Parabéns pelo seu cantinho acolhedor.
    Bom domingo
    Marineide
    http://marciagrega.blogspot.com

    ResponderExcluir