terça-feira, 14 de setembro de 2010

SONETO DO DESMANTELO AZUL.

Então, pintei de azul os meus sapatos
por não poder de azul pintar as ruas,
depois, vesti meus gestos insensatos
e colori, as minhas mãos e as tuas.

Para extinguir em nós o azul ausente
e aprisionar no azul as coisas gratas,
enfim, nós derramamos simplesmente
azul sobre os vestidos e as gravatas.

E afogados em nós, nem nos lembramos
que no excesso que havia em nosso espaço
pudesse haver de azul  também cansaço.

E perdidos de azul nos contemplamos
e vimos que entre nós nascia um sul
vertiginosamente azul. Azul.

                                                     - Carlos Pena Filho -

........................

Carlos Souto Pena Filho (1929 – 1960),fez no Recife sua vida de poeta. Em 1952 publicou seu primeiro livro de poesias, “O tempo da busca”. Em 1955, “Memórias do boi Serapião”, ilustrado por Aloísio Magalhães. “A vertigem lúcida” foi publicado em 1958, e, no ano seguinte, sua obra foi reunida no “Livro Geral”. Organizada por seu biografo Edilberto Coutinho, em 1983 foi publicada a antologia “Os melhores poemas de Carlos Pena Filho”.
Em parceria com Capiba, renomado músico pernambucano, foi autor de letras de músicas de sucesso, entre as quais destacamos “A mesma rosa amarela”, incorporada ao movimento da Bossa Nova na voz de Maysa.
Carlos Pena Filho morreu precoce e tragicamente no dia 1º de julho de 1960, vítima de um acidente automobilístico. Foi da redação do “Jornal do Commércio” — onde trabalhava — que pegou carona no carro de um amigo que se chocaria com um ônibus. No jornal assinou duas colunas: “Literatura” e “Rosa dos Ventos”. Cinco dias antes da sua morte, 26/6/60, foi publicado no “JC” seu último poema.

7 comentários:

  1. o encontro de cores e o ir e vir metricamente pensado conferem ao poema algo de bom de se ler

    ResponderExcluir
  2. Lindo! Obrigada por me proporcionar a leitura deste poema AZUL

    ResponderExcluir
  3. Há por aqui quem goste muito de azul.
    Dizem que é a cor da esperança.
    Assim com tanto azul desde os sapatos às mãos parece.me ser uma febre de azul.
    O poema esta´ muito bonito. Fez uma óptima escolha.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Silvana

    Que azul delicioso de se ler.
    Amei!

    Bjs no coração!

    Nilce

    ResponderExcluir
  5. O amor feito de zul que é a cor do céu, imenso espaço onde todo o azul se desfaz em cansaços de amor.
    Jorge Manuel Brasil Mesquita
    Lisboa, 15/09/2010

    ResponderExcluir