quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

ALÉM DA TERRA, ALÉM DO CÉU.

Além da Terra, além do Céu,
no trampolim do sem-fim das estrelas,
no rastro dos astros,
na magnólia das nebulosas.

Além, muito além do sistema solar,
até onde alcançam o pensamento e o coração,
vamos!

Vamos conjugar
o verbo fundamental essencial,
o verbo transcendente, acima das gramáticas
e do medo e da moeda e da política.

O verbo sempreamar,
o verbo pluriamar,
razão de ser e de viver.

- Carlos Drummond de Andrade -

7 comentários:

  1. Amar é tudo...É a universalidade de todos os corações, comungados em um só.
    Bjos achocolatados

    ResponderExcluir
  2. Era um sábio e sempre sublimou o amor. Montão de bjs e abraços

    ResponderExcluir
  3. Aiai, fico assim amorosa quando leio. Perfeito.

    ResponderExcluir
  4. Ui! Carlos Drummond de Andrade eu amo toda a sua poesia! parabéns pela escolha. É lindo...

    ResponderExcluir
  5. Olá Silvana,

    Parabéns pela escolha do poema de Carlos Drummond de Andrade.

    Um beijo
    Boa semana

    ResponderExcluir
  6. Uma bela escolha...
    "...razão de ser e de viver..."

    Paz e bem!!!

    ResponderExcluir
  7. ... e, muito amor mataria o mundo, asfixiado, em apertos de boa vontade. É a boa vontade a causa dos males que afligiram, afligem e afligirão a Humanidade, incapaz de uma vontade boa. boa semana

    ResponderExcluir