sexta-feira, 16 de abril de 2010

A BORBOLETA.

 
Trazendo uma borboleta,
Volta Alfredo para casa.
Como é  linda! é toda preta,
Com listas douradas na asa.

Tonta, nas mãos de criança,
Batendo as asas, num susto,
Quer fugir, porfia, cansa,
E treme, e respira a custo.

Contente, o menino grita:
“É a primeira que apanho,
Mamãe !vê como é bonita!
Que cores e que tamanho!

Como voava no mato!
Vou sem demora pregá-la
Por baixo do meu retrato,
Numa parede da sala.”

Mas a mamãe, com carinho,
Lhe diz: “Que mal te fazia,
Meu filho, esse animazinho,
Que livre e alegre vivia?

Solta essa pobre coitada!
Larga-lhe as asas, Alfredo!
Vê como treme assustada...
Vê como treme de medo...

Para sem pena espetá-la
Numa parede, menino,
É necessário matá-la:
Queres ser um assassino?”

Pensa Alfredo... E, de repente,
Solta a borboleta... E ela
Abre as asas livremente,
E foge pela janela.

“Assim, meu filho! perdeste
A borboleta dourada,
Porém na estima crescente
De tua mãe adorada...

Que cada um cumpra a sorte
Das mãos de Deus recebida:
Pois só pode dar a Morte
Aquele que dá a Vida.”

      - Olavo Bilac -        

VISITE:
             http://www.silnunesprof.blogspot.com/                

24 comentários:

  1. Que legal seu blog, Silvana. Convido-te a conhecer o meu de escritos.
    Um abraço
    http://camoesdecueca.blogspot.com
    e o meu de culinária
    http://picadinhodebacana.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Que forte e ao mesmo tempo terno este poema, Silvana.
    São os "clássicos" que estamos perdendo a memória...
    Abração.

    ResponderExcluir
  3. Silvana, que brinde, assim pela manhã: a borboleta que volta ao seu voo!

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olavo Bilac, tão métrico e exigente com os versos. Ele era perfeito! Que o diga o Parnasianismo, não é? Beijos, Silvana, ótimo dia pra vc.

    ResponderExcluir
  5. Linda Silvada, simplesmente linda!
    E Olavo Bilac é sem comentário!

    bjs e ótima semana!

    ResponderExcluir
  6. Há uma magia especial nas palavras simples que transportam poesia. Só uma pequena raridade de poetas o sabe fazer assim, como aqui... Olavo Bilac.

    uito, muito bonito!

    ResponderExcluir
  7. Saudações Silvana, adorei sua postagem (para variar não é mesmo?).

    Esta passagem, acredito servir não só para aqueles indefesos pequenos seres que nos rodeiam, mas também a nós mesmos.

    “Que mal te fazia,
    Meu filho, esse animalzinho,
    Que livre e alegre vivia?"

    Que mal?
    Que mal lhe fazia?
    Se não encontra mal algum.
    Então por que as asas quer cortar
    e sua vida e felicidade estancar?

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Olavo Billac tem coisas lindas... eu amo borboleta, e adorei essa!
    beijinhos.

    ResponderExcluir
  9. Que lindo poema...que alívio senti pela borboleta ser libertada...
    Belo final de semana amiga...
    Beijos...

    ResponderExcluir
  10. Muito emotivo o seu poema, adorei

    beijinhos

    bom fim de semana

    ResponderExcluir
  11. Oi Silvana, encantador poema deste ícone da poesia brasileira que é Olavo Bilac. Bela postagem ! Bj.

    ResponderExcluir
  12. Escolheste um belo poema e com uma lição para toda a gente.
    Como este mundo seria melhor se os filhos falassem com os pais e respeitassem os seus conselhos.

    ResponderExcluir
  13. UMA TERNURA DE BORBOLETA,DE MENINO E DE MÃE...CONSIGO VER A BORBOLETA A VOAR PERANTE OS OLHOS INQUIETOS E EXPECTANTES DE UMA CRIANÇA QUE AINDA NÃO TEM A NOÇÃO DOS SEUS ACTOS...

    OBRIGADA PELA VISITA...SÓ AGORA FOI POSSÍVEL VISITÁ-LA...VOU REGRESSANDO AOS POUCOS...

    SAUDAÇÕES EDUCACIONAIS

    ResponderExcluir
  14. A mim e a Silvana Nunes
    (Cada qual com seu Caderno
    De versos ternos, fraternos)-
    A Poesia nos une...

    ResponderExcluir
  15. que belo silvana.vim desejar-te um bom fim de semana!bjs!!!

    ResponderExcluir
  16. Lindo poema!! E vale uma grande reflexão..
    Adorei, beijos!

    ResponderExcluir
  17. Silvana
    Dentro de toda modernidade em que vivemos ,em que a frieza é tão abordada.
    É lindo relembrar essa jóia de sensibilidade.Parabens e muita paz
    alcione

    ResponderExcluir
  18. Alguns preferem poetas modernos, outros poetas antigos e alguns vão além dos poetas, não importando o tempo, pois amam a poesia.

    Lindo aqui!

    ResponderExcluir
  19. LINDO, adoro ver as borboletas voarem livremente pelos campos, beijinhos

    ResponderExcluir
  20. Que bonito, gostei. consulte os meus blogs, pricipalmente o "Angola eu te Amo". www.congulolundo.blogspot.com
    www.queriaserselvagem.blogspot.com
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  21. Uma das muitas pérolas desse magnífico escritor.
    Beijão Silvana!

    ResponderExcluir
  22. Oi adorei , conhecer seu blog , é muito bom .

    ResponderExcluir